Não é novidade para ninguém que o tecido empresarial é constituído maioritariamente por pequenas e médias empresas. Fala-se atualmente de um papel cada vez mais ativo do departamento de recursos humanos na empresa e que pode ser determinante.

Como profissional de recursos humanos, tenho a certeza que o papel deste departamento pode ser decisivo para o sucesso ou insucesso de uma empresa, desde que, a estratégia de recursos humanos esteja alinhada com os objetivos, visão e missão da empresa.

Acontece que, na realidade, assistimos a duas realidades muito diferentes. No LinkedIn estão presentes profissionais de grandes empresas e de multinacionais. Existem vários encontros/ conferências de RH, revistas da área e variadíssimos artigos que confirmam a crescente importância da área.

As empresas são constituídas de pessoas e estas assumem um papel determinante, no (in)sucesso, e tudo depende da forma como são vistas pela gestão de topo e pelo GRH. Pessoas desmotivadas – aparentemente-, não são produtivas.

E algumas empresas estão atentas a esta mudança e cuidam das suas pessoas, motivando-as, formando-as, respeitando-as, e tenho a certeza que estas são as empresas que, têm tudo, para resistir, a um mercado instável, mas cada vez mais exigente.

Depois temos as PME, e entramos numa realidade completamente diferente, as PME, na sua maioria não têm sequer departamento de recursos humanos, este departamento é gerido numa espécie de outsourcing pela empresa de contabilidade, que presta apoio ao nível da contratação, payroll e consultoria em legislação laboral.

Esta realidade é assustadora e preocupante. E a disparidade de realidades é incrível. Existem empresas que, não têm noção de que, para cumprir determinados objetivos, têm, obrigatoriamente que dar formação às suas pessoas, têm obrigatoriamente que repensar nos seus sistemas de incentivos e benefícios, têm que, obrigatoriamente, que definir de forma clara e inequívoca as funções e as competências determinantes para o sucesso na execução das mesmas. E com isto estarão a um passo do sucesso.

Sabemos que é difícil, tem custos, mas os benefícios futuros vão ter garantidamente retorno.

Comece por passos pequenos, perceba por exemplo se a sua consultora de contabilidade tem um profissional de recursos humanos que pode começar consigo, esta caminhada rumo ao sucesso. E este, acredite, é mesmo o primeiro passo!